Quem é o novo petróleo e por que isso deveria te interessar?
Quem é o novo petróleo e por que isso deveria te interessar?

Quem é o novo petróleo e por que isso deveria te interessar?

Exxon Mobil. Texaco. Chevron. Gulf Oil. American Oil Company. Sabe o que essas cinco marcas têm em comum? Além serem do ramo do petróleo, todas elas estavam no top 10 da lista Fortune 500 de 1980. Em outras palavras, das 10 maiores empresas do mundo nos anos 80, metade delas era do ramo petrolífero. Até aqui, pouca novidade, certo? O interessante é quando comparamos essa mesma lista com a lista mais atualizada. No lugar das petroleiras, alguns nomes mais recentes tomaram as melhores colocações: Apple, Microsoft, Amazon, Alphabet (holding que possui o Google), Facebook e Alibaba. 

Olhando para essa lista de novos gigantes, é fácil cair na armadilha de pensar que a nova fonte de sucesso é a tecnologia. Claro, Apple, Microsoft, Amazon e Google são gigantes da tecnologia, mas esse não é o principal ponto que as une. A grande sacada dessas empresas, assim como de outras que ainda não chegaram aos top 10, mas escalam a lista de grandes empresas rapidamente, como Uber, AirBnb, Netflix e iFood, e o real motor da nova economia é outro: Dados.




Cada uma dessas empresas que citamos encontrou uma forma de coletar, processar, informatizar e usar dados de seus consumidores de uma forma como o mundo nunca tinha visto. A Netflix usa a informação dos programas que você mais assiste para te sugerir programas similares, aumentando o seu tempo de envolvimento com a plataforma, e mais recentemente começou a usar esses dados para criar novos conteúdos de acordo com os conteúdos mais assistidos (é você mesmo, Stranger Things!). A Amazon construiu um complexo algoritmo capaz de mapear quais são os produtos que você tem mais tendência a comprar dependendo do seu estilo de navegação ou produtos que compra/visualiza com frequência. Quase toda a verba de publicidade digital do ano de 2018 foi dividida entre apenas duas empresas: Facebook e Google. 

Aí você pensa: "Agora ficou fácil: é hora de coletar dados como nunca para abrir o caminho para o sucesso!" É aqui que a metáfora do petróleo fica ainda mais acurada. Assim como o óleo negro, informações também precisam ser refinadas para ganharem real valor. Não são os países que têm petróleo os que mais lucram com ele, mas os que otimizaram a tecnologia para refiná-lo. Assim, tão importante quanto a sua capacidade de levantar dados relevantes é o processamento e cruzamento desses dados. 

Imagina só quantos dados de quantos usuários diferentes a Amazon tem em sua base. Ou o Google, ou o Facebook! São milhões (ou até bilhões) de usuários com comportamentos distintos que precisam ser decifrados, processados e cruzados para, enfim, tornarem-se informação útil e relevante que possa, finalmente, alimentar um negócio de sucesso.  

Agora chegamos na segunda armadilha desse debate: é fácil pensar que esse tipo de sistema está completamente fora do seu alcance, afinal, só as gigantes conseguem acesso a tantos dados e a tanta tecnologia para decifrá-los. E para ser sincero, no nível do Google ou da Amazon, provavelmente é isso mesmo. Mas o importante aqui é entender que dados bem usados são o segredo para negócios inovadores e de sucesso. Comece a prestar mais atenção nas informações que seus clientes te dão: Quem são eles? Como compram? O que buscam? Clientes que compram muito o produto X costumam comprar o produto Y também? Comece a fazer perguntas, testar hipóteses e buscar os dados para as respostas. E comece a criar novas soluções baseado nisso. 

Esse é o pensamento que levou essas gigantes ao topo!